sábado, 15 de outubro de 2011

Querido filho, ou filha - Dear son or daughter

Esta carta foi escrita por mim a meu filho, logo que soube que minha mulher estava grávida, muito antes de saber as surpresas que nosso filho nos reservava e como essas surpresas iriam transformar as nossas vidas.

"Querido filho, ou filha,

Você ainda nem nasceu. Ainda é só uma sementinha. E o papai já te ama.

Hoje falei de você com a vovó Neiva, pela manhã. Ela já está toda feliz te chamando de Antonio. Se você for menina, ainda não sabemos qual nome daremos a você. Mas pode deixar que escolheremos um bem bonito.

Hoje falei de você também para um médico, que passou remédios para a mamãe tomar, para proteger vocês dois, ou vocês duas, durante a gestação.

Nesta manhã teve jogo de Copa do Mundo. Brasil e Portugal. Deu zero a zero, e o Brasil não jogou muito bem. Mas passamos de fase e, em três dias, jogaremos contra o Chile. Não vejo a hora de você nascer e assistirmos a Copa juntos. A próxima será no Brasil. A sua primeira Copa. No Brasil.

Outro dia me dei conta que épocas de Copa do Mundo são marcantes para a sua mãe e eu. Nada premeditado. Pura coincidência, se é que isso existe. O fato é que eu a conheci na comemoração de uma vitória do Brasil. E, se eu não me engano, o jogo era do Brasil contra o Chile também. Foi na Copa de 1998 e a mamãe foi comemorar o resultado do jogo lá na casa do papai. Na verdade, na casa do seu avô e da sua avó, que ainda eram casados naquela época.

Oito anos depois disso, na Copa de 2006, numa terça-feira em que o Brasil ganhou de Gana, o papai pediu a mamãe em casamento. Ela ficou toda nervosa e ria muito. E ficou vermelha no pescoço. Disse um sim meio envergonhado e logo depois queria voltar para casa para contar para a vovó Dilma. Foi nesse momento que aprendi que, por mais que a gente planeje as coisas, a vida dá um jeito de nos surpreender. A reação da sua mãe foi completamente diferente da que eu imaginava. Mas não deixou de ser única.

E agora, na semana em que começa a Copa de 2010, numa segunda-feira antes de dormir, sua mãe me abraça nervosa e diz que acha que está grávida. Dessa vez fui eu que ri. Um pouco por nervosismo. Muito por alegria.

Como a descoberta da gravidez tinha sido por teste de farmácia, decidimos não contar, nem ficar muito empolgados, antes da confirmação de um exame oficial, que foi feito logo no dia seguinte. Sua mãe pegou o resultado – mais grávida impossível – e escondeu do papai até o dia seguinte, que era aniversário dela.

Aqui vale um parêntese para a comemoração do aniversário da sua mãe. Foi em uma creperia, uma festa pequena, para família e amigos íntimos. Eu e ela já sabíamos que você tinha sido encomendado, ou encomendada, porém, antes do médico examinar e ver se estava tudo bem não estávamos seguros para contar a ninguém. O engraçado foi que, na festa da sua mãe, todo mundo perguntava quando viria o bebê. Desconversamos a noite inteira, rindo por dentro.

Na sexta daquela semana sua mãe finalmente foi levar o exame ao médico. Ele perguntou se ela achava que estava grávida. Ela respondeu que sim e entregou o exame a ele. O doutor olhou para a folha do exame e disse: “Gravidíssima”. Naquele dia mesmo já examinou e disse que estava tudo bem.

Pouco depois recebo a ligação da sua mãe (o papai estava no trabalho), dizendo: “Parabéns, papai!” Naquele exato instante saí do trabalho e comprei seu primeiro presente, o primeiro do papai e da mamãe para você. Era uma roupa amarela, com desenhos de patos e ursos.

Espalhar a notícia para a família e para os amigos foi uma alegria. Os colegas de trabalho do papai queriam acender charutos, mas charutos são só para o nascimento. A sua vó Dilma desconfiou por uns segundos, mas logo veio dar um abraço, emocionada. Seu avô também, logo já estava dizendo: “Daqui a pouco tem outro pentelhinho correndo aqui na nossa volta.” Sua tia Adrianni encheu os olhos de lágrima no imediato momento da notícia. Sua prima Maria Eduarda, naquela época com 4 anos, ficou levemente enciumada, mas depois disse que queria que fosse uma menina e pediu para ver a barriga da sua mãe. Sua tia Roberta chorava ao telefone, de emoção. A tia Cândice estava de cama, gripada, mas ficou feliz da vida ao ouvir que seria tia pela primeira vez, depois de ser mãe de três. Depois ela contou ao seu primo Dudu que ele ganharia um primo ou uma prima. Ele, com 5 anos, disse, sem muita emoção: “Ah, eu já tenho primos.”

Para a vovó Neiva contamos no jantar, em um restaurante de comida peruana. Ela abriu um sorriso e fez um brinde com o vinho. Para o vovô Roberto, o papai contou sozinho, no dia seguinte. É outro que ficou feliz da vida e, pouco depois, quando liguei para contar ao seu tio-avô Danilo, descobri que o seu avô já tinha espalhado a notícia pela família Ludwig.

Estou contando tudo isso para você saber que foi muito amado, ou muito amada, desde o primeiro instante. Muito antes de sua mãe engravidar já sabíamos que um dia você viria. Já imaginávamos o seu nome. Já falávamos de você.

E quero que você saiba que, não importa o dia que você estiver lendo isso, não importa se alguma pessoa que citei não esteja mais aqui, não importa as surpresas que a vida tenha trazido, eu desejo que você seja muito feliz. E que tenha muitos momentos inesquecíveis, como foi o momento em que eu soube que teria você.

Hoje, o papai ainda não sabe se você é menino ou menina. Estou muito curioso, tenho que confessar. Mas sem preferência nem para um, nem para outro. Porque, independentemente do que seja, o que o papai mais deseja é conhecer você.

Um grande beijo,

Papai. Brasília, 25 de junho de 2010.


OBS (6 de setembro de 2010):

Querido filho, hoje tivemos a confirmação de que você é menino, é o Antonio! Bem-vindo, meu filho. Estamos imensamente felizes."


Dear son or daughter

This letter was written by me to my child, as soon as I heard my wife was pregnant, way before I knew the surprises that would come along with our child and how they would change our lives.

"Dear son or daughter,

You’re not even born yet. You’re just a little seed and daddy already loves you.

Today I told grandma Neiva about you, by morning. She is already so happy calling you Antonio. If you are a girl we still don’t know how to name you. Be sure we will find a beautiful name.

Today I told about you to a doctor as well, and he gave mommy some remedies to take, to protect both of you during pregnancy.

This morning there was a World Cup game. It was null and Brazil didn’t play very well. But we still went to the next stage and, in three days, we will play against Chile. Can’t wait for you to be born and watch the World Cup with you. The next one will be in Brazil. Your first World Cup. In Brazil.

The other day I took notice World Cup are significant for your mother and I. Nothing premeditated. Pure coincidence, if that exists. The fact is: while celebrating Brazil’s victory I met her. If I’m not mistaken, another Brazil versus Chile match. It was 1998’s World Cup and mommy came to daddy’s house to celebrate the result. Actually, in your grandpa and grandma’s house, they were still married then.

Eight years later, in 2006’s World Cup, on a Tuesday in which Brazil beat Ghana, daddy proposed to mommy. She was so nervous and she laughed a lot. She was red in her neck. She said an awkward yes and wanted to go home and tell grandma Dilma. That moment I learnt that the more we try to plan things, life finds a way to surprise us. Mommy’s reaction was a bit different from what I had imagined, but it was unique.

Now, the week of the beginning of the 2010’s World Cup, on a Monday before going to sleep, your mother hugs me nervously and tells me she thinks she is pregnant. This time I was the one to laugh. A little by jitters. A lot from joy.

Since we confirmed the pregnancy with a pharmacy test, we decided not to tell, nor to be so excited before the confirmation by an official test, which we did the day after. Your mother got the result – she was so pregnant – and hid it from daddy until the following day, which was her birthday.

Here goes an additional bit for the celebration of your mother’s birthday. It was in a crepèrie, a small party, only to family and close friends. She and I already knew you were coming, but we decided we weren’t confident to tell anyone until we had a doctor’s appointment and made sure everything was ok. The funny thing is everybody kept asking when was a baby coming. We changed the subject all night, laughing on the inside.

The next Friday, your mother took the exam to the doctor. He asked if she thought she was pregnant. She said yes and handed in the exam. The doctor looked at the paper and said “Pregnant”. The same day he examined her and said all was well.

A little after that I get a call from your mother (I was at work), saying: “Congratulations, daddy!” That same moment I left work and bought you your first present, the first from mommy and daddy to you. It was a yellow piece of cloth, with ducks and bears drawings.

Spreading the word for the family and friends was a joy. Daddy’s workmates wanted to light cigars, but cigars are only for the birth. Your grandma Dilma distrusted for a few seconds, but soon was giving us a moved hug. Your grandpa was also joking “Soon there will be another little brat running around us”. Your aunt Adrianni had her eyes filled up with tears as soon as she heard the news. Your cousin Maria Eduarda, back then she was 4 years old, was a little jealous, but said he wanted it to be a girl and asked to see your mommy’s belly. Your aunt Roberta cried over the phone, she was so moved. Aunt Cândice had a terrible flu and she was in bed, but she was so happy to hear she would be an aunt for the first time, soon after being mother of three. Then she told your cousin Dudu that he would have a cousin. He, at 5, said without excitement “Oh, but I already have cousins”.

We told grandma Neiva during dinner, in a Peruvian food restaurant. She had a great smile and toasted with wine. To grandpa Roberto, daddy told himself, in the following day. He also became as happy as he could be and, a little after when I told your great-uncle Danilo, I found out your grandpa had already spread the news through Ludwig family.

I’m telling you this to let you know you are so loved, since the very beginning. Way before mommy became pregnant we had already known one day you would come. We had already pictured your name. We already talked about you.

I want you to know, no matter when you read this, or if someone I mentioned won’t be here anymore, it doesn’t matter which surprises life has brought so far, I wish you to be very happy. And may you have many unforgettable moments, as the one I knew you were coming.

Today, daddy doesn’t know whether you are a boy or a girl. I’m very curious, I must confess. But without any preferences, neither for one or the other. Because, however it is, what daddy wants is to meet you.

With love,

Daddy. Brasília, 25 June 2010.

PS (6 September 2010):

Dear son, today we confirmed you are a boy, you are Antonio! Welcome, my son. We are immensely happy.


Tradução: Mariana Casals

12 comentários:

  1. Antonio, também quero te contar como seu pai e sua mãe contaram para gente, tia Joana e tio Thiago, sobre você!!! Seu pai ligou num domingo de manhã aqui para São Paulo, e pediu para falar com o tio Thiago, fiquei desconfiada na hora, pois seu pai sabe muito bem que o tio Thiago não acorda antes das 3h da tarde num domingo ehehheh. Assim, que desligamos o telefone, ficamos MUITO felizes com a notícia e já ligamos para os outros tios aqui de São Paulo, claro que a tia Amanda já estava chorando ehehheheehh
    Depois ficamos ansiosos com a sua chegada, depois para te conhecer e agora com cada novidade que você vai aprendendo!!! Outro dia seu pai mandou uma foto sua no seu primeiro dia da aula de natação, LINDO!!!
    Agora, Antonio, o mais importante de tudo, é que eu e o Thiago somos seus tios que sempre estaremos dispostos a te dar seu 7º, 8º, 9º picolé :P hehehehhe
    beijão LINDO

    ResponderExcluir
  2. Muito bonito, Fabinho. Sei que um dia o Antonio terá uma enorme alegria em poder ler um documento desse tipo. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. É assim que deve ser quando o AMOR dos Pais é grande, quando a espera é tão desejada... antes de saber se esse "serzinho" seria uma Garotinha ou um Garotinho já era AMADO !! Parabéns ! É emocionante ver o quão uma VIDA pode modificar completamente outras!!

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Coisa mais linda, Fabinho. Me emocionei aqui.
    E quando eu ainda era uma bebezinha, na barriga da mamãe, meu pai também escreveu uma cartinha linda para mim. É a página de abertura do meu álbum de bebê e, até hoje, 28 anos depois, meus olhos enchem d'água quando eu leio as palavras dele para mim. Certeza que Antonio também vai adorar ler essa mensagem linda e cheia de amor que você fez pra ele. :)

    ResponderExcluir
  6. Já que o post é sobre o Tomtom, meu coment tb vai ser.
    Esse pequeno tem, hoje, 8 meses. É um bebezinho fofo, calmo e buchechudo. Dá uma canseira no papai e na mamãe durante a noite e tem tanta preguiça de fazer os exercícios de estimulação, que às vezes até finge que está dormindo! Outro dia foi na natação e parecia um peixinho serelepe. Esta semana aprendeu a fazer alguns barulhinhos com a boca e não para mais de tagarelar. De vez em quando ( porque somos vizinhos), ele aparece de manhã cedo, aliás beeeem cedo, na minha casa com a Tia Márcia, que cuida dele, p “mudar um pouco os ares”. A gente brinca, conversa, olha os carros e os cachorrinhos pela janela, até que o soninho vem e é hora de ir para voltar p/ casa.  
    Ele mudou bastante a minha vida: me fez sentir, de verdade, que a felicidade está nas pequenas coisas. Com ele, o pouco virou muito e o simples extraordinário.

    ResponderExcluir
  7. Nossos filhos (as), onde quer que estejam,e qual o caminho que escolherão seguir em suas vidas serão sempre dádivas de Deus para nós!!! Serão sempre nossos...

    ResponderExcluir
  8. Lindo, Fabinho!! Emocionante acompanhar essa carta. Que família mais linda!

    ResponderExcluir
  9. Querido Antonio! Quero te contar como nós, amigas da mamãe, ficamos sabendo que você estava a caminho! Ela enganou a todas nós e combinou um café da manhã num domingo num lugar chamado Quitinete, para reencontro das amigas! Chegando lá ela disse: amigas, tenho uma coisa para contar, estou grávida! Lágrimas para todos os lados! E eu, tia Déia, que confirmei para o papai e para a mamãe que você era o Antonio mesmo, pelo exame de ultrassom! Que honra!

    ResponderExcluir
  10. Querido neto Antonio,vc veio completar meu time favorito. Vc, Dudu,Lipe,Quique e eu vamos formar um timaço.Pressinto que ao crescerem deverão me deslocar para o gol, onde, certamente, vou ajudá-los com muita tenacidade a fazerem muitos gols de amor ao próximo,honestidade,descência,pro-fissionalismo,amizade.....Vc é o caçula, o fofucho da hora, seja bem vindo ao nosso clã. Quem sabe a vida não nos reserva outras surpresas e será vc aquele que vai nos ensinar o que é o verdadeiro amor e o real sentido de viver.

    ResponderExcluir
  11. Nossa Fabinho,
    que mensagem linda que seu filho terá quando crescer, hein?
    Estou em prantos aqui na agência lendo esse seu relato...
    e a Copa está cada vez mais perto de acontecer.. Você já imaginou gritar GOL do Brasil ao lado da família lnda que você tem?
    Nossa... de verdade, desejo tudo de bom pra vc e sua família..
    Vcs merecem!
    Beijos, Antônio lindinho "godinho".. rs

    Adriana Nina!

    ResponderExcluir